APPs e o Amor Líquido

Standard

A reversibilidade da web, com vários acessos possíveis, está presente em tudo.  Não é de hoje que ouvimos, por exemplo, o termo “relacionamentos online”. A expressão marcou presença no final dos anos 1990 e começo dos 2000 com as salas de bate-papo em grandes portais brasileiros como UOL, IG, Globo.com, além de comunicadores instantâneos como ICQ e MSN. Mas esse tipo de “amor líquido”, como nos ensinou Bauman cresce exponencialmente.

Vivemos em 2014 a era dos aplicativos afetivos como #lulu, #tubby, #tinder, entre outros. Não só nos relacionamentos. As pessoas acessam o #Instagram porque é mais fácil curtir ou postar uma foto do celular. Pedem comida pelo #APP porque é mais fácil. Chamam táxis pelo celular porque é mais fácil. Você tem a possibilidade ainda de se conectar pelo Facebook, que evita inúmeros cadastros ou ainda usar a geolocalização para encontrar pessoas e serviços perto de você.

Porém, toda essa facilidade nos coloca na chamada “zona de conforto”, que nos dá a falsa impressão de que estamos protegidos atrás das telas. A zona de conforto já está presente em nossas vidas mediadas por telas há algum tempo como, por exemplo, na funcionalidade de mandar parabéns pelo Facebook, ao invés de usar o telefone ou mesmo dizer feliz aniversário ao vivo. É fácil, indolor e confortável ter a tela te avisando dos aniversários.

Como será a narrativa no mundo WhatsApp? O que esses adolescentes que possuem centenas de contatos 24 horas por dia ativos no WhatsApp trocam com seus pares? Acho que está na hora de começar a olhar outros ambientes narrativos para tentar formular alguma visão do porvir, apesar de ter a certeza que não existe coisa mais difícil de prever do que o futuro do software e da comunicação. Para Dave Evans, “a mídia social é a democratização da informação, transformando pessoas leitoras de conteúdo para publicadora de conteúdos”, uma interação social “usada efetivamente através da participação e da influência, não através de comando ou controle” como ocorria na mídia tradicional. (Pollyana Ferrari).

Advertisements