Se a vida te der um limão, faça um selfie

Standard

Aconteceu há cerca de duas semanas, no dia 12 de março: a atriz Lucélia Santos, que ficou famosa no mundo inteiro por seu papel na novela Escrava Isaura (e cuja carreira, que de modo algum se resume só à novela ou mesmo à profissão de atriz – ela iniciou um curso de Filosofia recentemente no Canadá, tem quase quarenta anos), foi flagrada num ônibus carioca, como qualquer cidadão. Há provas: tiraram uma foto dela e puseram, sem sua autorização, no Facebook. Reproduzo:

lucelia-santos2bc

Ora, Lucélia tinha tudo para fazer como dezenas de outros atores que já foram fotografados recentemente por fãs usando câmeras de celulares e smartphones: reclamar da perda de privacidade – uma perda que nunca foi nova – não nos esqueçamos dos famosos e infames paparazzi, cuja diferença era o tamanho e potência das máquinas fotográficas e a insistência que virou folclórica, porque perseguiam o objeto de suas fotos a toda parte – ainda o fazem, aliás).

Para sermos justos, os atores sempre reclamaram dos paparazzi também, porque estes normalmente os fotografavam em situações cotidianas ou mesmo em momentos de maior intimidade, onde eles não queriam, e pediam para, não serem fotografados. O advento dos novos dispositivos técnicos, entretanto, gerou um aumento das reclamações em outra escala: os fãs não colocam as fotos nas revistas da moda, mas sim nas redes sociais, e supostamente estariam invadindo a privacidade dos atores ainda mais que os paparazzi. Será? Suposição discutível, e improvável – mas vamos deixá-la para outro momento.

O interessante aqui foi a atitude de Lucélia. Podia ter reclamado, mas não o fez. Ou não da maneira tradicional: no dia seguinte, comunicou à imprensa que estava revoltada sim, mas não com a questão da foto (que nem foi mencionada), mas com os comentários que questionavam por que a atriz estava se valendo do transporte público, quando podia usar um carro? (detalhe: Lucélia é defensora das alternativas sustentáveis há décadas) Reclamou que “O Brasil é o único país que conheço em que andar de ônibus é politicamente incorreto!!!!!!! Vai entender…” E usou o Instagram para mostrar outra foto, um “selfie” (tirado por outra pessoa, pela distância, mas a intenção é o que vale) para reiterar sua disposição e alegria por usar o transporte público.

13mar2014---lucelia-santos-divulgou-imagem-dentro-de-onibus-no-rio-1394741988766_615x300
Essa história da Lucélia dá o que pensar – ou não? Deveria fazer com que pensassemos mais? Por que o medo dos paparazzi, ou dos paparazzi de ocasião em que todos nós vez por outra acabamos por nos tornar quando nos deparamos, nas ruas ou nos ônibus da vida, com aquilo/aquele a quem admiramos? Vilém Flusser alertava (com toda razão) para o fato de estarmos nos tornando funcionários dos dispositivos técnicos, ou seja, meros usuários sem a noção de como eles funcionam – pegando de onde Baudrillard havia parado ao falar da questão dos gadgets e do misterio de seu funcionamento. (eis o mistério da fé? Estaríamos confiando demais na máquina? Baudrillard teria dito que sim, mas isso em 1968, e estamos em outro momento histórico)

O que estamos vivendo hoje – o tempo das telas – não é mero jogo de palavras, aliteração feita para chamar a atenção dos incautos, mas um momento em que parte da humanidade depende da interface promovida pelas telas para funcionar e interagir. Saber como funciona o interior do computador não é tão importante – ou talvez seja, mas vamos perguntar por outro ângulo – a geração de nossos pais sabia como funcionava todos os equipamentos dos quais dependia sua sobrevivencia? Meu pai, seu pai, podiam saber consertar o carro, mas não sabiam necessariamente consertar a geladeira ou o fogão. Isso não impediu a humanidade de prosseguir (nem os fabricantes de venderem mais ou as assistências técnicas de sobreviverem, mas é o jogo do capitalismo e da obsolescência programada)

Por que então nos cobram que entendamos do funcionamento profundo do computador, do dispositivo movel, ou do aplicativo? Por que seriamos mais alienados que nossos pais? (Talvez sejamos, ou talvez não sejamos nem mais nem menos – talvez o dispositivo não faca diferença – isto ainda esta por ser visto.)

O tempo das telas é um tempo onde a imaginação humana criou extensões inesperadas – como de resto todas as invenções, da alavanca de Arquimedes (que gerou a catapulta usada nas guerras) ate MC2 de Einstein, que gerou a bomba atômica. Não poderia ser diferente com um dispositivo móvel. Para fecharmos com a metáfora do carro – o carro foi criado como extensão das pernas para percorrer grandes distâncias – e no entanto temos uma quantidade imensa de corridas de carros onde os pilotos dão voltas e mais voltas num circuito sem chegar a lugar algum e ninguém acha isso estranho. Sem contar com os rachas, as corridas não autorizadas que aparentemente matam ainda mais pessoas que a F1 ou a stock car.

Apenas considerações velozes e passageiras aqui, claro. (Fábio Fern andes)

Advertisements

One thought on “Se a vida te der um limão, faça um selfie

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s